Invista na criação do coelho bravo para a preservação da espécie

A criação do coelho bravo exige tempo e dedicação. Se está a pensar enveredar por esta atividade ou já a pratica, conheça algumas dicas sobre os cuidados a ter com a espécie, para que esta se desenvolva e reproduza de forma saudável.

Como fazer a criação do coelho bravo?

Em primeiro lugar, terá que recorrer a um produtor de confiança, que apresente exemplares geneticamente puros, saudáveis e devidamente cuidados. Como sabe, existe uma elevada taxa de mortalidade juvenil e adulta nas populações de coelho bravo, pelo que encontrar um criador que faça uma boa gestão da espécie é crucial.

A Quinta dos Penedinhos é um criador de coelho bravo de referência a nível nacional, recomendado pelo próprio ICNF a outros criadores no início ou expansão da respetiva atividade. Aqui, não só encontra animais de qualidade, como pode obter conselhos e dicas sobre os cuidados a ter para uma boa preservação da espécie. Por exemplo:

  1. Supervisionar as populações de coelho bravo: planificar é a palavra-chave. Quer esteja a começar a atividade ou a expandi-la, terá de definir como quer que esta se desenvolva. Supervisionar as populações de coelho bravo, nomeadamente a sua saúde, o seu comportamento, a sua distribuição e capacidade reprodutiva, são essenciais para prevenir um crescimento descontrolado em que não consiga assegurar a qualidade da espécie. Essa supervisão passa também pelo controlo do contacto com os predadores. Uma cooperação com os gestores de caça e de caçadores é igualmente importante para ajustar a sua produção à zona de caça ou de intervenção.
  2. Repovoar em semi-cativeiro: é uma tarefa que permite preservar, a longo prazo, coelhos bravos viáveis. Ao criar as condições ideais para uma parte desta população num determinado local, está a diminuir o stress gerado pela adaptação a um novo ambiente e pelo processo de transação. Recentemente, no sul de Espanha, foi possível verificar que a criação de coelho bravo num habitat com o clima adequado, durante 6 dias, era o suficiente para incrementar consideravelmente a sua sobrevivência. O semi-cativeiro é uma alternativa viável e menos dispendiosa na manutenção da espécie e produção de animais mais saudáveis e menos sujeitos à ação dos predadores.
  3. Gerir o habitat: este ponto é essencial para a criação de coelhos bravos saudáveis. Refúgio, água e alimento são medidas basilares, pelas quais deverá zelar para evitar que os seus animais fiquem doentes e para que se reproduzam adequadamente. Uma boa gestão do habitat terá efeitos positivos a médio e longo prazo, nomeadamente na esperança de vida e expansão da espécie. Zonas de alimentação em cativeiro, devidamente acondicionadas e limpas, ou acesso a pastagens com vários tipos de leguminosas, cereais e gramíneas, são determinantes para proporcionar o alimento adequado ao coelho bravo. Deverá ainda assegurar-se de que há sempre água fresca, em boa quantidade e limpa. Para fazer criação de coelho bravo num habitat natural terá que construir abrigos, caso a área seja uma zona de cultivo extenso, assim como tocas que misturem materiais artificiais (pellets de madeiras, por exemplo) e naturais (ramos, pedras, etc.).
  4. Controlar as doenças virais: as principais doenças endémicas que afetam o coelho bravo são a Mixomatose e a Doença Hemorrágica Viral (DHV). Especialmente as populações em estado selvagem, cuja seroprevalência de anticorpos contra estes vírus é bastante elevada. Daí ser indicado o recurso a criadores especializados, como a Quinta dos Penedinhos, para adquirir os animais que necessita para iniciar ou expandir a sua atividade. Para controlar a doença deverá vacinar os seus coelhos bravos. Por isso, o apoio de um veterinário é igualmente um ponto obrigatório para garantir que a população de coelho bravo está devidamente imunizada.

A atividade cinegética é uma importante fonte de receitas em Portugal, já que existem cerca de 150.000 caçadores. Portanto, antes de se aventurar na criação de coelho bravo recorra a quem tem experiência e provas dadas de qualidade neste segmento. Contacte a Quinta dos Penedinhos pelo telefone 914 563 661 ou e-mail quinta.dos.penedinhos@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *